March 28

November 8

July 1

Hosted MongoDB Price Comparison

If you are hosting your web application on a service like Heroku and want to use MongoDB as database, you have basically three choices: MongoHQ, MongoLabs and Mongo Machine.

UPDATE: On July 28, MongoHQ announced the acquisition MongoMachine (thanks to @porcelli for the tip)

Since plans vary greatly I put a normalized comparison at Google Docs

Hope it helps.

June 7

April 7

Visualização de Dados para Impacto Social

Na última Tech Talk organizada pela Esfera, um evento para difundir tecnologias para mudança política e engajamento cívico, pude falar um pouco sobre visualização de dados para ONGs e movimentos sociais.

Além de discutir a criação das visualizações dos gastos dos vereadores e dos alagamentos de São Paulo, apresentei ferramentas como Google Refine, Google Fusion Tables e Google Public Data Explorer.

Para completar, uma série de exemplos de diversas áreas (política, meio-ambiente, mobilidade urbana, saúde, educação, etc.):

Google Public Data Explorer

BBC Dimensions - The Gulf Oil Spill

Bike Accident Tracker

HealthMap

US Equivalents

A nova Assembléia Legislativa de São Paulo

É interesante notar que as visualizações acima foram criadas por veículos de comunicação, mas poderiam muito bem terem sido criadas por ONGs e movimentos sociais para difundir conhecimento e conquistar atenção para suas causas.

February 23

Gastos dos Vereadores de São Paulo no Google Public Data Explorer

Para testar o Google Public Data Explorer e seu DSPL (Dataset Publishing Language) joguei os dados dos gastos de gabinete dos vereadores de São Paulo em 2010 lá.

Como só há uma métrica (os gastos) não fica muito interessante, mas pelo menos é possível notar alguns padrões, como o gasto das sobras das verbas com envio de propaganda política no fim do ano.

Evolução dos gastos de alguns vereadores em 2010


Exemplo de evolução dos gastos por categoria em 2010

Veja o dataset no Public Data Explorer, no cmsp.topical.com.br e na Câmara.

Também vale destacar o uso que o Google está fazendo de datasets públicos nos resultados de busca.

October 19

Em algumas conversas com editores da mídia digital brasileira, enfatizo a necessidade de essas empresas investirem em laboratórios que integrem esses tipos de conhecimento e que dali possam surgir soluções inteligentes em sintonia com a necessidade informativa da sociedade conectada, que, de um modo ou de outro, já experimenta os resultados desses avanços desde Leibniz.
Mas a resposta é quase a mesma: falta de cultura dos empresários para entenderem que um laboratório desses é importante para possuir e construir o diferencial competitivo.
Vejamos o New York Times, que investe tanto em tecnologia nos seus produtos digitais conectados. O temor da “Bíblia do Jornalismo” não são os seus tradicionais concorrentes no mundo analógico que também migraram para a esfera digital, mas os milhares exemplos de startups que surgem nos EUA e que vão comendo fatias pequeninas do seu escopo de negócio.

O texto de estreia do Prof. Walter Lima no IDGNow foi especialmente interessante para mim, pois hoje o Topical foi um dos projetos selecionados para a final do Tire do Papel.

Tiago Dória também comentou sobre o assunto há alguns dias.

September 28

Foursquare - Visualizando a Rede

Continuando a explorar os dados do Foursquare no Brasil, estou fazendo alguns experimentos para analisar e visualizar a rede que se forma da relação entre as pessoas e os locais que elas frequentam.

Na imagem abaixo, a rede com cores que identificam “comunidades” que se formam dessas relações.

Abaixo, pessoas em vermelho e locais em verde. O tamanho do nó e do seu rótulo representam a quantidade de checkins.

Na imagem acima, fica visível que aeroportos são os locais com mais checkins. Outros locais com grande número de checkins são grandes empresas (UOL, IBM), eventos (Bienal do Livro, Digital Age), universidades (FAAP, UnB, Mackenzie) e centros comerciais.

September 16

Ação da Comunidade THacker durante a Consulta Pública da Lei de Direitos Autorais

Durante a consulta pública da revisão da lei de direitos autorais, a comunidade Transparência Hacker colocou a mão na massa mais uma vez.

Coletando, analisando e visualizando os dados da consulta, pôde fazer uma leitura do que estava se passando, fazer questionamentos e divulgá-los.

A ação foi importantíssima para mostrar que até aquele momento a grande maioria das opiniões não concordavam com as alterações e propunham o retorno à redação original, ou seja, queriam deixar a lei como está.

Mas uma grande quantidade de opiniões negativas começavam abruptamente, partiam de um pequeno número de pessoas e algumas enviavam muitos comentários em um pequeno intervalo de tempo.

Era o contraponto ao ensaiado discurso do Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição de Direitos): “Como vai ao Congresso um projeto de lei com essa falta de aceitação?”

Nos dias seguintes, pôde-se ver a movimentação daqueles que eram favoráveis a alterações na lei atual.

E ao final do processo, qualquer cidadão interessado no tema tinha condições de avaliar de forma transparente os resultados da consulta:

Mais em http://consultalda.thacker.com.br/